Jeferson Cabral, Advogado

Jeferson Cabral

Belo Horizonte (MG)
22seguidores56seguindo
Entrar em contato

Sobre mim

Advogado
As pessoas que nunca fazem nada além do que são pagas para fazer, nunca serão pagas além do que fazem.

Principais áreas de atuação

Direito do Consumidor, 33%

É um ramo do direito que lida com conflitos de consumo e com a defesa dos direitos dos consumidor...

Direito do Trabalho, 33%

Conjunto de normas jurídicas que regem as relações entre empregados e empregadores, são os direit...

Direito Civil, 33%

É o principal ramo do direito privado. Trata-se do conjunto de normas (regras e princípios) que r...

Correspondência Jurídica

Serviços prestados
Peças
Cargas
Recursos
Despachos
Exame de processos
Audiências

Recomendações

(38)
Rodrigo Pedreira, Advogado
Rodrigo Pedreira
Comentário · ano passado
Bom dia a todos, Dr, não sou especialista na área criminal, contudo, já li um pouco sobre o assunto depois de tanta polêmica sobre este inquérito.

Na minha visão anteriormente o STF já havia decidido sobre a competência originária para supervisão da investigação criminal. (STF – Primeira Turma – Inquérito n.º 3438/SP – Rel. Min. Rosa Weber – j. em 11.11.2014 – DJe 027 de 09.02.2015.), em 2011 modificações promovidas em seu regimento interno sustentam tal posicionamento, nos artigos de 230-A ao 232.

Se eu não estou enganado e este inquérito está tratando sobre investigação de pessoas com foro privilegiado o STF também já decidiu (STF – Tribunal Pleno - Rcl 555/PB – Rel. Min. Sepúlveda Pertence – j. em 25.04.2002 – DJ de 07.06.2002. Na mesma linha: STF – Inq 2963 AgR / RR - Rel. Min. Gilmar Mendes – j. em 21.11.2011 – Dje 033 de 14.02.2012 / STF – Inq 2411 QO/MT - Rel. Min. Gilmar Mendes – j. em 10.10.2007 – Dje 074 de 24.04.2008.) que “a competência penal originária por prerrogativa de função atrai para o Tribunal respectivo a supervisão judicial do inquérito policial”, e assim portanto, também o próprio STF pode praticar os atos de inquérito, (STF – Tribunal Pleno – Inq. 2291 AgR/DF - Rel. Min. Carlos Brito – Rel Min. p/ acórdão Marco Aurélio – j. em 29.06.2007 – Dje 142 de 13.11.2007. No mesmo sentido: STF – Tribunal Pleno – Inquérito n.º 2842/DF – Rel. Min. Ricardo Lewandowski – j. em 02.05.2013 – DJe 041 de 26.02.2014.).

Depois também com o novo entendimento consubstanciado em 2018 sobre o foro de prerrogativa de função, [Tese definida na AP 937 QO, rel. min. Roberto Barroso, P, j. 3-5-2018, DJE 265 de 11-12-2018.], a investigação continuará nas mãos do STF, acaso já instaurado o inquérito e se a perda da função tiver o intuito de fraudar a investigação.

Assim, portanto, em meu simples entendimento, os ministros do STF, não tem a competência de investigar, mas sim o delegado de polícia, a policia federal, ou estadual, na medida da sua jurisdição, o que acontecerá será os ministros supervisionando a investigação, pelo foro por prerrogativa de função, conforme Art. 102, I, b e c; da Constituição Federal.

Outro ponto, que concordo com o Senhor Dr. é que deveria ter sido realizado sim o sorteio para verificar quem iria supervisionar este inquérito, pois todos temos direitos e não poderia ser instaurado um tribunal de exceção.

Mas como disse inicialmente, esta não é minha área e não sou especialista posso ter me confundido com algo, se sim, peço que me esclareça.

Humildade é o que precisamos nestes tempos onde informação verdadeira é necessária, para esclarecer as inverdades disseminadas, ou mesmo para que haja luz da sabedoria, sobre as sombras da ignorância.

"A injustiça que se faz a um, é uma ameaça que se faz a todos." Barão de Montesquieu

Perfis que segue

(56)
Carregando

Seguidores

(22)
Carregando

Tópicos de interesse

(21)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

Outros advogados em Belo Horizonte (MG)

Carregando

Jeferson Cabral

Rua dos Tupis, 457, sala 1402, centro - Belo Horizonte (MG) - 30190-060

Entrar em contato